Setembro Amarelo

Setembro Amarelo

Começamos falando sobre a taxa de suicídio por 100 mil habitantes foi de 4,33%, em 2005, para 5,72%, em 2015 (última contagem disponível), na Baixada Santista, segundo dados da Fundação Seade. Nesses 10 anos, o número de mortes subiu de 68 para 100. O índice é maior do que o verificado no Estado de São Paulo, que subiu de 4,12% (1.615) para 5,56% (2.393) na década.

A quantidade de pessoas que tiram a própria vida vem crescendo ao longo dos anos em todo o Brasil. Números do Ministério da Saúde mostram que são 32 brasileiros mortos por dia, total superior ao de vítimas da Aids e da maioria dos tipos de câncer. Para especialistas, nove em cada 10 casos poderiam ser evitados com encaminhamento correto ao tratamento.

Segundo especialistas, os idosos ainda estão em maior número entre os que tiram a própria vida no País. Mas a proporção de jovens vem crescendo aceleradamente. Dados do Mapa da Violência mostram que os suicídios aumentaram 33% nos últimos 10 anos entre pessoas de 15 a 29 anos. Em 2014, foram 2.898 casos de pessoas desta faixa etária. Outras 146 cometeram suicídio antes dos 15 anos.

Campanha

Justamente com o objetivo de reverter o aumento crescente das mortes surgiu no Brasil, em 2014, o Setembro Amarelo, mês dedicado à prevenção ao suicídio. Iniciada pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), com apoio do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), a campanha aborda a tentativa e a concretização do ato de se matar como um problema de saúde pública.

A psicóloga Elis Cornejo, pesquisadora no Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio, de São Paulo, explica que a iniciativa já existe desde 2003 em outros países, pela Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio e Organização Mundial de Saúde (OMS).

“A campanha é importante para a conscientização da população a respeito do problema de saúde pública que é o suicídio, no Brasil e no mundo, e quais são as formas de preveni-lo”.

Alguns destaques da campanha no Brasil em 2015 as quais foram a iluminação de monumentos como Cristo Redentor no Rio de Janeiro/RJ, o Congresso Nacional e a ponte Juscelino Kubitschek em Brasília/DF, o estádio Beira Rio em Porto Alegre/RS, a Catedral e o Paço Municipal de Fortaleza/CE, Ponte Anita Garibaldi em Laguna/SC, e o Palácio Campo das Princesas em Recife/PE.

Também foram feitas ações de rua, como caminhadas, passeios ciclísticos, e abordagens em locais públicos nas cidades.

Se está passando por alguma dificuldade e precisa desabafar, procure sempre um especialista, alguém que gere confiança, certamente essa pessoa poderá te ajudar, falar sempre é melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.